25/09/2020
Buscar
EnglishPortuguese

As lições japonesas do morar

O que os japoneses nos ensinam sobre morar bem? 5 lições

As casas do outro lado do planeta reservam boas surpresas e um jeito de morar bastante diferente do nosso. Os japoneses têm uma arquitetura admirada pelo mundo: leveza, traços bem objetivos e suaves se insinuam nos desenhos premiados. Veja este edifício de Sousuke Fujimori e concorde comigo.

Joia Méridia, de Sou Fujimoto

Mas é dentro das casas que estão grandes lições a serem contempladas. E se tem uma palavra-lição do estilo de morar japonês, é essa: contemplar, pensar, antes de projetar uma casa ou apartamento. Veja abaixo cinco lições deles.

1 – Cortinas leves

No Japão tradicional, muitas cortinas são de madeira, em estilo rolô. Você pode até não gostar de persianas e tudo bem com isso. Mas o interessante é a leveza das cortinas: elas apenas deixam o ambiente mais privativo, sem bloquear a passagem de luz completamente. Isso ajuda nosso organismo humano a sintonizar com a luz do sol. Os benefícios são enormes, afinal, nossos hormônios são naturalmente regulados pelo sol. O despertar acontece na hora certa e gradualmente, ao contrário de um blackout. Isso ajuda na regulação interna de hormônios.

2 – Pias com bancadas de trabalho

Bancadas de preparo na cozinha japonesa são um estímulo a cozinhar

Elas facilitam e são um convite para o preparo das refeições. Os japoneses se alimentam bem – sabe-se disso no mundo todo – e talvez essa seja uma das maiores lições de seu lifestyle. Pias com espaços de trabalho, tábua de corte, facas apropriadas e muitos equipamentos de inox, que facilitam a limpeza dão um estímulo a cozinhar em casa. E isso é ótimo para a saúde.

3 – Panelas de barro

Bowls de cerâmica ou de barro ajudam a reter calor e mantêm propriedades nutricionais dos alimentos

Elas cozinham e retêm o calor por um bom tempo. Isso torna os preparos mais saborosos e ricos. No lugar do alumínio ou de outros materiais que podem até ser tóxicos, a panela de barro é ótima para nossa saúde, sem liberar metais e outros elementos.

4 – Tirar os sapatos antes de entrar em casa

Um estilo de Genkan: sapatos para serem usados em casa ficam no hall de entrada

Esse é um costume que teremos de adotar pós-pandemia: em um lugarzinho na entrada da casa chamado Genkan você tira os sapatos antes de entrar em casa. Isso evita uma série de coisas ruins: sujeira externa, bactérias e até vírus podem pegar carona na sola dos sapatos e contaminar nosso lar. Podemos ter um pequeno móvel na entrada ou mesmo na área de serviço para eles, como uma pista de pouso …que tal?

5 – Casas pequenas e otimizadas

Tiny house criada por Kengo Kuma: as habitações japonesas urbanas não são assim, claro. Mas a otimização interna comprova que não precisamos de muito espaço, e sim de gerenciá-lo bem

No Japão, é muito comum contratar um arquiteto para otimizar os espaços de uma casa. Mesmo com a verticalização, os japoneses vivem em metragens pequenas, mas são cuidadosos com seus lares. Esta Tiny House criada por Kengo Kuma é apenas um exemplo idílico de como não precisamos de uma casa muito grande no campo quando a ideia é vivenciar mais a natureza.

Imagens: Pexels e Pixabay

projetohestia@gmail.com

Onde habita o coração! A essência simbólica de Hestia: deusa grega do lar que preside a chama que alimenta a vida nas casas, nas cidades, no mundo ... O Projeto Hestia é uma proposta de celebração da casa, do cotidiano, da vida doméstica, da rotina, das pequenas coisas que configuram a experiência sensorial de habitar os espaços construídos. Aqui, acreditamos que o exercício diário de morar pode, e deve, ser uma oportunidade para a promoção de felicidade!

AVALIE
NENHUM COMENTÁRIO

Deixe uma resposta